Só Poesias e outros itens....

  • Anexando Territórios e possibilidades expressivas

Translate

Seguidores

2 de mai de 2008

Os espelhos

~~
O que é um espelho? Não existe a palavra espelho – só espelhos, pois um único é uma infinidade de espelhos. Em algum lugar do mundo deve haver uma mina de espelhos?
Não são preciso muitos para se ter a mina faiscante e sonambúlica: bastam dois, e um reflete o reflexo do que o outro refletiu, num tremor que se transmite em mensagem intensa e insistente ad infinitum, liquidez em que se pode mergulhar a mão fascinada e retira-la escorrendo de reflexos, os reflexos dessa dura água.

O espelho é o espaço mais fundo que existe – É coisa mágica: quem tem um pedaço quebrado já poderia ir com ele meditar no deserto. De onde também voltará no vazio, iluminado e translúcido – e com o mesmo silêncio vibrante de um espelho.

Quem olha um espelho conseguindo ao mesmo tempo isenção de si mesmo, quem consegue vê-lo sem se ver, quem entende que a sua profundidade é ele ser vazio, quem caminha para dentro de seu espaço transparente sem deixar nele o vestígio da própria imagem – então percebeu o seu mistério.”
~~~~
Clarice Lispector < “Para não esquecer” (Rio de Janeiro, 1999, p-12-13) Texto modificado e resumido.
obra: José Pedro Croft ( 1957) Portugal
~~~~~~

6 comentários:

Maria Augusta disse...

A cada texto de Clarice Lispector a aprecio mais. Este sobre os espelhos esta magnífico, realmente se observar atentamente um espelho é como mergulhar na própria alma.
Belo post, Ju!
Beijos e um bom fim de semana.

Old Wom Tigley disse...

I smiled at this picture... for some reason it made me feel the wonder of the mirror.

Tom

Sonia A. Mascaro disse...

Uma cadeira contra a parede já é uma imagem curiosa...

Clarice Lispector é sempre uma inspiração!

Os espelhos refletem nossas múltiplas faces... existem os espelhos generosos, que nos afagam o ego, os crueis ou fiéis que nos confrontam... os que evitamos...

Beijos e um bom domingo!

disse...

O Espelho



Sou prateado e exato. Não tenho preconceitos.
Tudo o que vejo engulo imediatamente
Do jeito que for, desembaçado de amor ou aversão.
Não sou cruel, apenas verdadeiro -
O olho de um pequeno deus, de quatro cantos.
Na maior parte do tempo medito sobre a parede em frente.
Ela é rosa, pontilhada. Já olhei para ela tanto tempo,
Eu acho que ela é parte do meu coração. Mas ela oscila.
Rostos e escuridão nos separam toda hora.

Agora sou um lago. Uma mulher se dobra sobre mim,
Buscando na minha superfície o que ela realmente é.
Então ela se vira para aquelas mentirosas, as velas ou a lua.
Vejo suas costas, e as reflito fielmente.
Ela me recompensa com lágrimas e um agitar das mãos.
Sou importante para ela. Ela vem e vai.
A cada manhã é o seu rosto que substitui a escuridão.
Em mim ela afogou uma menina,
e em mim uma velha...
Se ergue em direção a ela dia após dia, como um peixe terrível.

Silvia Plath

tradução André Cardoso


Beijos minha querida e bom domingo!

Eduardo P.L. disse...

Falar o que? Depois desses comentários femininos sobre o espelho...só.


Bjs

Só- Poesias e outros itens disse...

É verdade Eduardo, os comentários e reflexões foram explêndidos. O que mais dizer... se não olhar e ver.

bjs à todos.

JU Gioli

Translate this page

Poesia Virtual

Poema ao acaso

Tertúlias Virtuais

Tertúlias Virtuais
Inscreva-se e participe - todo dia 15 um novo tema

Clique e Participe

Clique e Participe
2 de setembro: Tema Ecologia

@

@
Territórios Anexados : @

Selo-comments

Selo-comments

As escritas

As escritas

As geometrias

As geometrias

As artérias

As artérias

Prêmio 2008 - concedido por Varal de Idéias

Prêmio de novembro 2007

Prêmio de novembro 2007
concedido por Vi Leardi

Prêmio junho 2007

Prêmio  junho 2007

Prêmio concedido por "Varal de Idéias"

Prêmio concedido por "Varal de Idéias"
junho 2007

Premiação de Primavera 2007

Premiação de Primavera 2007
Concedido por Varal de Idéias e le Jardin Éphémère

Presente de Vi Leardi 2007

Presente de Vi Leardi  2007

Olhares

free web counter