Só Poesias e outros itens....

  • Anexando Territórios e possibilidades expressivas

Translate

Seguidores

13 de out de 2008

Poema Dadaísta



PARA FAZER UM POEMA DADAÍSTA: por Tristan Tzara


Pegue num jornal.Pegue numa tesoura.
Escolha no jornal um artigo com o comprimento que pretende dar ao seu poema.
Recorte o artigo.
Em seguida, recorte cuidadosamente as palavras que compõem o artigo e coloque-as num saco.
Agite suavemente.
Depois, retire os recortes uns a seguir aos outros.
Transcreva-os escrupulosamente pela ordem que eles saíram do saco.
O poema parecer-se-á consigo.
E você será um escritor infinitamente original, de uma encantadora sensibilidade,
ainda que incompreendido pelas pessoas vulgares.












Tristan Tzara, pseudónimo de Sami Rosenstock, nasceu na Roménia em 1896. É especialmente conhecido por ter sido um dos fundadores e principais teóricos do movimento Dada. São da sua autoria os principais manifestos da «revolução dádá», levada a cabo, primeiro, em Zurique e, posteriormente, em Paris. Nesses manifestos encontramos, provavelmente, os mais importantes contributos poéticos de Tzara. A defesa de um (anti)discurso essencialmente revolucionário, assente num nihilismo de base, com repercussões estéticas e políticas, são alguns dos princípios aí defendidos. Mais tarde, em 1930, abandonou a atitude avassaladora dádá em prol de um surrealismo eminentemente político. Aliou-se à Resistência francesa e ao Partido Comunista durante a II Grande Guerra, tendo-se tornado cidadão francês em 1947. Em 1956 abandonou o comunismo, em sinal de protesto contra ações perpetradas pelo regime estalinista. Morreu em Paris, no dia 25 de Dezembro de 1963.

.

9 comentários:

Eduardo P L disse...

E se não gostar do poema, pode considerar uma boa e inédita colagem!


Bjs

rsrsrs!

Adelino disse...

O autor pode fazer o que quiser com seus recortes, mas nós não somos obrigados a achar linda sua obra e nem queimar a "mufa" para descobrir o que de "maravilhoso' ele quis dizer com aquilo. Que guarde em sua gaveta para todo o sempre...
Beijos

sonia a. mascaro disse...

Uma grande inventividade! Qualquer dia destes vou fazer como ele disse...no mínimo será uma surpresa!
Bjs.

Só- Poesias e outros itens disse...

Há sempre quem ame ou odeia a idéia. Talvez por isso o movimento foi tão revolucionário.

bjs.

JU Gioli

addiragram disse...

Como se pode dizer tanto e em tantas direcções! Só mesmo quando se "rompe" com o estabelecido.
Um abraço daqui

Silvares disse...

Os dadaístas estavam a inventar a arte contemporânea fazendo essas coisas meio malucas. Abriram-nos as portas quase todas...

disse...

Sensacional...colagens maravilhosas devem nascer desta "técnica poética"
quanta coisa boa aqui...beijos

Maria Augusta disse...

Talvez para um verdadeiro poeta mesmo as colagens ao acaso darão um belo poema. O conceito é interessante, quanto ao resultado, tenho minhas dúvidas.
Um beijo.

Marcos Santos disse...

Gostei.

Vou começar hoje mesmo a escrever poesias. O que é melhor, brincando de tesoura e papel e sem esquentar a cabeça.

Um beijo

Translate this page

Poesia Virtual

Poema ao acaso

Tertúlias Virtuais

Tertúlias Virtuais
Inscreva-se e participe - todo dia 15 um novo tema

Clique e Participe

Clique e Participe
2 de setembro: Tema Ecologia

@

@
Territórios Anexados : @

Selo-comments

Selo-comments

As escritas

As escritas

As geometrias

As geometrias

As artérias

As artérias

Prêmio 2008 - concedido por Varal de Idéias

Prêmio de novembro 2007

Prêmio de novembro 2007
concedido por Vi Leardi

Prêmio junho 2007

Prêmio  junho 2007

Prêmio concedido por "Varal de Idéias"

Prêmio concedido por "Varal de Idéias"
junho 2007

Premiação de Primavera 2007

Premiação de Primavera 2007
Concedido por Varal de Idéias e le Jardin Éphémère

Presente de Vi Leardi 2007

Presente de Vi Leardi  2007

Olhares

free web counter